Julen Lopetegui divulgou esta quarta-feira uma carta de despedida, com o título "sempre portista", assumindo assim que já chegou a acordo com os dragões para a sua saída. O agora ex-treinador do FC Porto assume ter chegado o momento de separar o seu caminho do do FC Porto e agradece o apoio dos jogadores.

"Quero agradecer a todos os futebolistas com que trabalhei nestas duas temporadas e destacar a sua atitude exemplar, a disposição e comportamento que tiveram comigo e com todo o corpo técnico. Desejo que completem com êxito o que começámos todos juntos. Sempre senti o apoio dos jogadores e também dos funcionários do clube, em todas as circunstâncias, e quero aqui reconhecer-lhes o seu esforço e compromisso diário. Vou embora podendo olhar na cara todo e qualquer um deles", pode ler-se no documento.

O treinador basco assume-se grato ao clube "e em especial ao presidente" pela oportunidade dada, sublinhando que ainda tinha tempo de atingir os objetivos.

"Ainda estávamos a tempo e com possibilidade de atingir todos os objetivos a que nos tínhamos proposto; confiávamos totalmente nisso, estávamos convencidos de poder alcançá-los e entristece-nos este afastamento a meio do caminho. De qualquer forma, saio com a ideia de que os bons momentos foram muitos mais do que os maus", escreveu.

Leia o texto na íntegra:

Sempre portista

Esta é a minha carta de despedida, chegou o momento em que o FC Porto e eu separamos os nossos caminhos. Por isso, e pese este ser um momento amargo, sinto necessidade de expressar várias ideias de forma pública.

Para começar, obrigado ao FC Porto e em especial ao seu presidente por me ter dado a oportunidade, e a toda a minha equipa técnica, de viver uma experiência maravilhosa e exigente ao mais alto nível. Foi um ano e meio de intenso trabalho a todos os níveis, que contribuiu muito para melhorarmos como pessoas e profissionais. Ainda estávamos a tempo e com possibilidade de atingir todos os objetivos a que nos tínhamos proposto; confiávamos totalmente nisso, estávamos convencidos de poder alcançá-los e entristece-nos este afastamento a meio do caminho. De qualquer forma, saio com a ideia de que os bons momentos foram muitos mais do que os maus, tivemos noites tão especiais no Dragão que dificilmente serão esquecidas.

Considero que contribuímos com o nosso grão de areia para que a sociedade crescesse, fosse rentável, garantisse o seu futuro e tivesse repercussão na Europa. Para um treinador, não é fácil aceitar que muitos dos jogadores mais utilizados saiam no final da época, mas isso significa que renderam a grande nível e acima de quaisquer egoísmos sempre se manteve a ideia de buscar o melhor para a gestão do FC Porto. Este ano recebemos muitos jogadores novos, alguns muito jovens que estão a crescer e a adquirir o nível competitivo que o clube requer ao mesmo tempo que continuamos a lutar pelos objetivos.

É por isso que quero agradecer a todos os futebolistas com que trabalhei nestas duas temporadas e destacar a sua atitude exemplar, a disposição e comportamento que tiveram comigo e com todo o corpo técnico. Desejo que completem com êxito o que começámos todos juntos. Sempre senti o apoio dos jogadores e também dos funcionários do clube, em todas as circunstâncias, e quero aqui reconhecer-lhes o seu esforço e compromisso diário. Vou embora podendo olhar na cara todo e qualquer um deles. Agradeço a sua entrega e colaboração, dando sempre o melhor deles próprios. Defender o escudo do FC Porto e o seu sentimento assim o exige. Saio com a consciência tranquila após dar a alma por uma entidade com uma história tão brilhante.

Quero também agradecer à cidade e à sua gente pela forma de ser. No Porto, tanto eu como a minha família nos sentimos em casa. Tudo o que eu sinto por este lugar maravilhoso e todas as recordações que levo não cabem em tão poucas linhas.

Por último, desejo toda a sorte do mundo a esta equipa e que alcance os objetivos desejados, porque os seus triunfos sempre serão os de um clube, de um estádio e de um público que me marcaram para sempre o coração.

Um abraço, Somos Porto!
Fonte: Jornal Record